skip to main | skip to sidebar

domingo, 29 de novembro de 2009

África é um país?

0 coisa(s) escrita(s) depois
Este é o continente africano. 
Ásia não é parte de África, ela 
é outro continente (estás a lembrar 
dos 5 continentes que estudaste?)

Para quem alguma vez estudou Geografia e para quem não o fez aqui vai um breve resumo sobre classificação e agrupoamento de territórios:

Concelho ou Municipio - uma determinada zona em alguma região de uma país tem uma Câmara Municipal (órgão executivo), a Assembleia Municipal (órgão legislativo)e, Conselho municipal. A zona com esses órgãos político-administrativos governa tambem outras comunidades, que podem ser urbanas ou rurais, ou uma mistura das duas, em seu redor que estejam na sua circunscrição territorial. O concelho pode subdividir-se em freguesias.

Cidade - é uma área urbanizada, que se diferencia de vilas e outras entidades urbanas através de vários critérios, os quais incluem população,densidade populacional ou estatuto legal. A população de uma cidade varia entre as poucas centenas de habitantes até a dezena de milhão de habitantes. As cidades são as áreas mais densamente povoadas do mundo.

País - compatível com as definições de reino, império, república, nação e Estado, mas, na atualidade, independentemente da forma de governo adoptada, todos os Estados soberanos são considerados países.

Continente - vários países formam um continente, e tal como um país é delimitado por fronteiras.

 Então, o que podemos aprender com esta breve lição em Geografia é que África é um continente, assim como Europa; América, Ásia, Oceania. Eu sei que falei muita coisa só para dizer isto mas é que para certas pessoas é difícil entenderem que África não é um país.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Marioneta ou a ilusão de liberdade

1 coisa(s) escrita(s) depois
Queria começar por lhe dar os parabéns. Parabéns.
Fico contente por você, fico contente mesmo. Porque é bom ver, saber que alguém está a fazer algo em que acredita.

Fico contente que você esteja a seguir todas as normas sociais; que você penteia o seu cabelo, veste calças compridas, calça sapatos fechados;

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Até quando?

0 coisa(s) escrita(s) depois
Até quando vamos ter os nossos deixando o país à procura de uma vida melhor onde encontram apenas desgraça?

Até quando vamos ter quadros fugindo para o exterior deixando o nosso país cada vez mais pobre?

Até quando vamos ficar olhando para a TV dizendo: aquele actor brasileiro era do nosso país, os pais daquele jogador são do nosso país, aquele médico brilhante era do nosso país?

Até quando vamos continuar a fechar olhos esperando que tudo isso não passe de um pesadelo?

Até quando vamos continuar vestindo nosso fato de marca, ir a restaurantes de 5 estrelas para jantar e conversar sobre pessoas que estão morrendo de fome, sem sequer chegar a um resultado?

Até quando vamos continuar ignorando que existem pessoas reais com problemas reais?

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O dever de um super-herói

0 coisa(s) escrita(s) depois

Para aqueles que gostam ou que alguma vez viram um desses filmes ou séries de tv de super-heróis deve ter notado que a principal função dos super-heróis é proteger os mais fracos e oprimidos. Uma coisa muito curiosa que eu quase sempre noto nesses programas de super-heróis é que eles têm o dever de ajudar todas as pessoas excepto a si mesmos. Curioso que é uma coisa tão comum, mais do que se possa imaginar.


A falha no padrão ou o nascimento de um super-herói
A história é a seguinte: dois tipos de "anormais": os normais e os anormais. Explico: o QI normal da sociedade humana é considerada 100, então qualquer um que fique muito alem desse valor, quer por excesso ou por defeito é considerado anormal; mas aqueles que ficam além por excesso, Galileu, Newton, Da Vinci, etc, normalmemente são vistos com bons olhos pela maioria inferior, a sociedade, porque contribuem de uma forma útil, e são considerados pessoas normais. Por outro lado os que ficam além por defeito são considerados inferiores, anormais.


O dever ou o jogo da marioneta
O super-herói, o bem visto, não deve nunca usar seus "poderes" para o beneficio próprio porque ele é superior e isso seria "errado"; hipotéticamente, se você tem o dom da premonição não deve usá-lo para ganhar a loteria ou qualquer outro concurso. Não seria permetido o super-homem entrar numa competição (luta, corrida, etc) porque seria "injusto", no entanto ele "deve" salvar uma cidade, resumindo: ele é apenas uma ferramenta, sem consciência.


Fazer por um bem maior
Kant afirma que devemos agir sem segundas intenções. É irrónico porque, se formos ver ninguem age sem segunda intenções: o bom samaritano que ajuda a velha a atravessar a rua, fá-lo para ser bem visto pela comunidade, o menino que obedece a mão fá-lo para não levar um raspanete, o religioso faz por um lugar no céu, etc., só que por as segundas intenções ficarem a cargo do inconsciemte dá impressão que a acção é "pura".



Liberdade
Cada pessoa tem sua própria capacidade e deve usá-la para atingir seus objectivos, sem prejudicar alguem no processo. Não é assim? Então cada um que tenha mais habilidades, mais conhecimentos, deve usá-lo da maneira que quizer sem ser controlado por um grupo que lhe diz o que fazer porque nesse caso o grupo não estaria fazendo nada mais nada menos do que violar a liberdade do super-herói.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Espelho meu, espelho meu...

0 coisa(s) escrita(s) depois
Na sociedade existe uma coisa muito interessante que eu gosto de chamar "espelho-controle". Explico: você controla a vida dos outros e os outros controlam a sua vida. Pois, você deve estar a pensar: eu controlo minha vida. Pois, continue a sonhar. Você acha que a roupa que tem vestido apareceu num sonho e você resolveu vestir, e a sua refeição? Pois é. Você vive na sociedade e quer queira quer não você é influenciada por ela.

Desde os meios mais sofisticados de controle mental até aos gestos inocentes de pessoas passeando na rua, você só age se incorporar a influência da comunidade. Talvez alguém já lhe tenha chamado de convencido(a) por se ter elogiado a si mesmo. Pois é. Os outros podem fazer isso mas você não. Mesmo que você seja considerado o melhor do mundo você não o pode dizer porque por uma questão de educação, caso o fizesse estaria ofendendo os outros - aqui entra a ferramenta de controle chamada humildade.

Não estou a dizer para que se livre das normas sociais mas elas que "vão po diabo" que afinal de contas se sou o que sou porque não o posso admitir? Você é o que é, e pronto. Não estou a prejudicar ninguém, então porquê não me posso julgar?

Igualdade: Uma ilusão

1 coisa(s) escrita(s) depois


Nem sei há quanto tempo a humanidade vem perseguindo o ideal da igualdade sem dar conta de uma coisa muito simples: não pode haver igualdade. Não, pelo menos enquanto a humanidade não transcender a condição humana. Em primeiro lugar para haver igualdade a competiçaõ deve ser extinguida, afinal ninguem estuda para depois ir trabalhar como sorveteiro; não que eu esteja menospresando esse trabalho mas sabemos que quem estuda, em geral, recebe melhor. Sempre que existe um melhor existem os piores.


Em segundo lugar, diriamente ouvimos grandes personalidades falarem acerca de ajudar os mais pobres, respeitar os direitos humanos, mas aparentemente elas continuam ricas e de boa vida. Porquê? Porque não há partilha. A ilusão, ou ignorância humana nã deixa ver que o mundo não rege segundo o Princípio de Le Châtelier, mas sim segundo a Troca Equivalente, onde o equivalente que enriquece os ricos equivale ou equivalente que empobrece os pobres.

Consegues ver?

Em terceiro lugar mas, não menos importante, na verdade talvez a mais importante, todo o ser que tende para o equilibrio morre. É por isso que quando as moléculas no ser vivo atingem o equilibrio o ser vivo morre. Se não houver mortes para compensar as vidas que nascem, a fome em algum lugar para compensar a abundância de comida em outro lugar, então a matemática da sobrevivência não terá um resulatdo que possa ser adaptado à realidade.


No entanto o facto de sermos incapazes de chegar à igualdade não significa que não possamos tornar a condição humana melhor; nomeadamente através de uma melhor e mais justa repartiçã dos recursos, o respeito pelos direitos humanos, o ser humano como um ser consciente de seus actos e suas consequências. Para melhor basta querer, poder e fazer.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

O dia que a Terra parou

0 coisa(s) escrita(s) depois
E a Terra parou de girar. Esta é com certeza a notícia que ninguem, nenhum ser vivo gostaria de receber.
Talvez com o Galileu ou o Copérnico ainda não se punha a hipótese, mas a partir da introdução das leis de Newton, em 1687, podia-se prever a possibilidade de um dia a Terra parar.

Hipóteses à parte, a verdade é que se um dia a Terra parasse as consequências seriam catastróficas. Para quem já viu o filme "O Núcleo - Missão ao centro da Terra", ou em inglês "The Core", tem mais ou menos uma idéia das conseqências.

Em primeiro lugar assim como um autocarro que freia de repente lançando os passageiros para a frente assim aconteceria com os edificios, isso resultaria de um abrandamento de velocidade de rotação da Terra de 30 km/s para 0 km/s, com a ajuda da gravidade uma vez que ela não mudaria.

A Terra ficaria com um lado virado para a luz do Sol e o outro virado para a sombra, daí que a parte virada para o Sol sofreria um aumento drástico de temperatura tornando-se bastante áridade e baixando a possibilidade de sobrevivência de qualquer ser vivo bastante remota. Em contrapartida do lado escuro da Terra a temperatura seria muito baixa criando as mesmas posibilidades de sobrevivência dos seres vivos para o lado da luz.

Apesar dessas mudanças drásticas ainda há possibilidade de vida, sobretudo para organismos que vivem no fundo do mar, próximos dos abismos que expelem calor das profundezas da Terra, uma vez que não dependem da luz para sobreviver.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

eBooks - Biblioteca digital

1 coisa(s) escrita(s) depois
Este artigo é dedicado a todos aqueles que gostam, ou que precisem de ler, e para aqueles que passam muito tempo em frente ao computador mas não lêm nada. Porque é sempre bom ler, e para facilitar a vida a aqueles que não podem comprar livros, estão aqui algumas dicas para não deixar que a falta de recursos financeiros seja um antrave na aprendizagem e no lazer.

Umas das coisas que mais gosto são os livros. Ler é muito bom, e necessário. Mas gostar não é suficiente. Sobretudo nestas épocas em que as vacas gordas foram À vida os porquinhos tem estado mal nutridas não se pode dar ao luxo de comprar todos os livros que se quer. Eu que sou estudante estou sempre precisando de livros e de informações específicas, então de uns tempos para cá tenho apostado sobretudo em livros digitais.

Vagueando pela net tenho feito download de tudo o quanto são livros e artigos. Se o meu pen drive fosse uma biblioteca – e de certa forma é – eu diria que ela está bem rica.

Infelizmente não faço download de todos os livros que quero, não por não querer mas por o meu pen drive estar lotado; tenho que comprar um outro pen ou quem sabe um disco externo. Como não posso fazer download de todos os livros guardo os links para que sempre que aparecer um lugarzinho no meu pen eu possa botar lá mais uns quantos livros.

Normalmente costumo fazer download de livros no 4sahred. Já agora deixa eu aproveitar para deixar alguns links caso queira fazer download:

Curso de desenho

Religião

Anatomia humana


Banda desenhada

1, 2, 3, 4


Livros escolares
1, 2

Vários(Livos bons e úteis)
1 2 3


Fazer download de eBooks em Google Books

Para quem costuma procurar livros em Google Books sabe que o maior problema é não poder fazer download dos livros. Bom, para resolver esse problema basta usar o Google Book Downloader.

O Google Book Downloader é um utilitário gratuito que você pode usar para fazer download de livros do Google Books no formato PDF. O programa permite fazer download de qualquer livro marcada com a opção Full view da biblioteca Google.

Boas leituras.